quarta-feira , dezembro 19 2018
Início / Clipping / União Europeia quer acabar com venda de carros até 2030 para alcançar meta do Acordo de Paris

União Europeia quer acabar com venda de carros até 2030 para alcançar meta do Acordo de Paris

Poluição no céu da cidade espanhola Madri — Foto: Sergio Perez/Reuters

 

Chegou a fatura para os europeus. Com a proximidade da vigésima quarta Conferência das Partes sobre o Clima (COP), convocada pelas Nações Unidas, que vai acontecer no início de dezembro na Polônia, a União Europeia (mais Suíça e Noruega) começou a ficar verdadeiramente preocupada em tomar atitudes para levar na bagagem e mostrar aos demais países que está agindo pelo clima. O foco de preocupação é a enorme circulação de carros em suas ruas.

Afinal, esta imagem nada tem a ver com as promessas feitas no Acordo de Paris, conseguido a duras penas em 2015 entre todos os países membros da ONU. Lá ficou decidido que todo mundo ia fazer seu papel para que o planeta não chegue ao fim do século aquecido mais 2 graus. No Acordo, a meta estabelecida é 1.5 grau.

No entanto, os carros continuaram a ser vendidos e os europeus continuaram a utilizá-los da mesma forma que antes. Vejam bem: estou falando sobre os europeus porque foi publicado ontem, no jornal “The Guardian”, um estudo feito por cientistas, mostrando que as vendas de carros lá devem ser eliminadas até 2030 se forem levar a sério as propostas do Acordo. Mas aqui no Brasil, como em outros países, tudo também continua como dantes, ou quase.

O relatório europeu foi feito pelo Centro Aeroespacial Alemão a pedido da organização Greenpeace e concluiu que “As emissões de veículos pouco mudaram na última década e a indústria esgotará seu orçamento de carbono dentro de cinco a dez anos, a menos que haja uma mudança radical”. Uma das mudanças radicais sugeridas pela análise é começar a empurrar para o mercado os carros de baixa emissão, chamados híbridos, o mais rápido possível. É claro que quem produz tais veículos deve estar, neste momento, muito feliz com o resultado da análise. Mas é assim que a roda gira no sistema econômico que nos rege: a tal da oportunidade encontrada no risco.

Sob este cenário novo imaginado pelos cientistas que fizeram o estudo, a hipótese é de que daqui a dez anos o último veículo de combustão interna seria vendido, e “carros movidos a diesel e gasolina seriam banidos das estradas em meados da década de 2040”.

Antes deste estudo, o que está na mesa de negociações é a proposta de um corte de 30% nas emissões de veículos até 2030 na União Europeia, embora os deputados do Partido Verde estejam pressionando para que este corte seja de 45%. O governo do Reino Unido anunciara que as vendas de todos os novos veículos a gasolina e diesel estariam proibidas até 2040 , enquanto alguns países, incluindo Alemanha, Irlanda, Índia e Holanda, já haviam definido este prazo mais ambicioso proposto pelos cientistas do estudo, para 2030.

A questão é que houve já um decréscimo nas emissões de gases poluentes com a redução do uso dos automóveis de passeio, mas não foi suficiente. Diz o relatório que “medidas severas” seriam necessárias para fazer isso com uma chance de 66% de atingir a meta de 1,5C – incluindo uma queda nas vendas de carros convencionais de cerca de 15 milhões este ano para 5 milhões em 2022.

Vai ser preciso uma mudança radical de hábitos e, sobretudo, será necessário que o tema meio ambiente esteja, de fato, na agenda para fazer políticas públicas que ajudem a implementar esta nova era. De outra forma, o aquecimento global chegaria a 2 graus. E o que isto significa, na prática?

jornalista Mark Lynas, também um ativista ambiental, fez um minucioso trabalho publicado no livro editado aqui no Brasil pela Zahar, chamado “Seis Graus”. O estudo de Lynas percorre todas as mudanças que podem ocorrer caso a temperatura do planeta suba um, dois, três, quatro, cinco e seis graus. É interessante e assustador, ao mesmo tempo. Até porque o livro foi escrito há dez anos e muito do que ele descreve já está acontecendo, como no caso dos verões extremos e incêndios florestais que se espalham pela Europa a cada ano.

“No estudo feito no Reino Unido, os cientistas usaram o modelo de computador Met Office, do Hadley Centre, para projetar futuras mudanças climáticas com maiores emissões de gases-estufa, concluindo que até os anos 2040 – quando as temperaturas globais, segundo seu modelo, ainda estarão abaixo de dois graus acima dos atuais – mais da metade dos verões serão mais quentes que em 2003 (quando uma onda de calor no continente europeu provocou centenas de mortes e danos irreversíveis a colheitas) . Isso quer dizer que os verões extremos em 2040 serão muito mais quentes que o de 2003, e a taxa de mortalidade, por consequência, também irá subir”, escreve Lynas.

Ele acrescenta, com base em dados que colheu durante sua pesquisa, que os incêndios incontáveis se tornarão uma imagem cada vez mais comum no Sul da Europa e no Mediterrâneo.

“Simulações de mudanças climáticas mostram aquela região ficando cada vez mais e mais seca e quente… no mundo com mais dois graus, o risco de duas a seis semanas de novos incêndios pode ser esperado para todos os países ao longo do litoral do Mediterrâneo, dos quais as piores regiões serão as do interior, a partir da costa, onde as temperaturas são mais elevadas. Na África Setentrional e no Oriente Médio, praticamente o ano inteiro será classificado como risco de incêndios, que serão causados por temperaturas cada vez mais abrasadoras”, escreveu ele.

Houve uma época, felizmente que já vai longe, quando os céticos do clima eram em número maior do que são hoje. Viviam por aí a fazer piadas e provocar reações galhofeiras a cada advertência que os ambientalistas faziam sobre o aquecimento global. Uma dessas investidas pouco humoradas (a meu ver, claro) era de que antes de se pensar em salvar baleias e micos leões dourados era preciso salvar a própria pele humana. Pois os estudos mostram que, se não mudarmos de fato nossos hábitos, se não abrirmos mão de certos confortos conseguidos pós Revolução Industrial, nossa pele correrá mais riscos do que já está correndo hoje.

Enquanto a União Europeia se posiciona mais seriamente ante a possibilidade de abolir cada vez mais os carros das ruas, na China as pessoas estão sendo obrigadas a passar mais frio. É que lá a queima de carvão para o aquecimento doméstico polui tanto o ar que mais de um milhão de pessoas já morreram por causa desta poluição. No ano passado o governo lançou um pacote para mudar isto e, aparentemente, tem dado resultado.

É disso que se trata. Os estudos são feitos, as conclusões são tiradas. Mas as mudanças, de fato, vão depender de políticas públicas e da boa disposição dos cidadãos comuns em ajudar.

FONTE: G1

Sobre Sindsema

Veja também

Câmara Normativa Recursal do Copam aprova novas Deliberações Normativas

  Duas Deliberações Normativas (DN) propostas pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *